23 de jul de 2012

Atualidades em Foco - Crise na Síria

 

Estamos acompanhando desde o ano passado todas as grandes mudanças que estão rolando no mundo árabe! Todo processo revolucionário está longe de chegar ao seu desfecho, ainda temos muitos pontos de interrogação, como é o caso da Síria.

As manifestações contra o governo iniciaram na cidade de Deraa, no sul da Síria, em março do ano passado, quando um grupo de pessoas se juntou para solicitar a libertação de 14 estudantes de uma escola.

Eles haviam sido presos e supostamente torturados por terem escrito no mural do colégio o lema dos  revolucionários no Egito e na Tunísa  "
As pessoas querem a queda do regime". A manifestação pedia somente a liberdade dos estudantes e não a deposição do presidente Bashar al-Assad. Porém o governo agiu com intensa violência, matando manifestantes. A partir disso iniciou-se uma onda de protestos por todo o país. 

O conflito tem sido tão intenso que segundo a ONU mais de 9 mil pessoas já morreram em uma guerra civil em prol democracia. Bashar al-Assad está no poder desde 2000, sucedendo seu pai Hafez al-Assad, que governou o país entre os anos de 1971 e 2000, quando faleceu.

Bombardeamentos na Síria obrigaram moradores a fugir das suas casas (foto de arquivo) (foto AP)
Cidade de Damasco sendo bombardeada

A Síria conta o apoio da Rússia, que possui ligações econômicas e militares estreitas com o país árabe. 

O portal TERRA divulgou nesta manhã a seguinte atualização sobre o conflito:

"A violência se intensifica nas nas principais cidades sírias. Uma nuvem de fumaça foi vista na manhã de hoje (23) no bairro de Mazzé, a oeste de Damasco, a capital da Síria. A agência oficial de notícias, Sana, informou que nesta madrugada o Exército expulsou grupos de terroristas que se escondiam até em canais de esgoto. Além disso, o agravamento dos conflitos fez com que a União Europeia (UE) anunciasse hoje que vai ampliar as sanções à Síria impondo mais restrições aos voos oriundos da região e a um grupo de 26 pessoas, ligadas ao governo. Tropas foram enviadas para várias regiões da capital, onde confrontos foram registrados até de madrugada. As ruas da capital estão praticamente desertas. Também foram registrados confrontos violentos em Alepo, a segunda cidade mais importante do país. Há informações, não confirmadas, de que helicópteros das Forças Armadas bombardearam a cidade de Homs - símbolo da contestação. No começo desta manhã, a União Europeia acrescentou mais 26 pessoas e três entidades na lista que impede a entrada e comércio com o bloco. A decisão foi tomada em reunião dos ministros das Relações Exteriores da UE. As sanções incluem ainda o reforço ao embargo de armas ao regime. O bloco também deverá proibir a entrada da companhia aérea síria no território europeu. A França, o Reino Unido e a Alemanha defenderam ainda o reforço da ajuda humanitária para os refugiados sírios que se exilam principalmente na Jordânia e no Líbano. De acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, pelo menos 120 mil refugiados sírios se instalaram na Jordânia e no Líbano, além da Turquia e do Iraque".


A Primavera Árabe, portanto, ainda está longe de colher todas as flores transformadoras! 

É isso ai!

Força sempre